Autoeficácia docente e escolha pelo ensino superior no contexto do estágio de docência em engenharia

Autoeficácia docente e escolha pelo ensino superior no contexto do estágio de docência em engenharia

Publicado em: 11 de junho de 2018


Resumo

O presente estudo teve como objetivos descrever e analisar as relações entre as crenças de autoeficácia e os fatores que levam à escolha pela docência no Ensino Superior no contexto do Estágio de docência no campo da engenharia. Visando responder às questões “De que maneira o estágio de docência influencia as crenças de autoeficácia dos pós-graduandos em engenharia?”; “Quais os fatores que influenciam na escolha desses pós-graduandos pelo ensino?” e, “As crenças de autoeficácia estão relacionadas à sua escolha pelo Ensino Superior?”. Delimitou-se como objetivos específicos: caracterizar o perfil do estudante em programas de pós-graduação de Engenharia; mensurar o nível de autoeficácia docente e as fontes de constituição dessa crença no contexto do estágio de docência; identificar fatores que levam esses discentes a escolherem serem docentes em nível superior e, correlacionar as variáveis acima descritas com o estágio de docência nos cursos de Engenharia. Para tanto, a partir de um estudo de natureza quantitativa, utilizou-se quatro instrumentos de pesquisa, a saber: um questionário sociodemográfico, a Escala de Autoeficácia de Professores (EAD), desenvolvida por Polydoro et al. (2004), a Escala de Fontes de Autoeficácia de Docentes (IAOCHITE; AZZI, 2012) e a tradução livre para o português e adaptação da Factors Influencing Teaching Choice – FIT – Choice Scale, proposta por Watt e Richardson (2007) a qual denominou-se Escala de Fatores que Influenciam a Escolha pelo Ensino (EFIEE). Os resultados indicaram que (...)

 

Como citar este documento

MATOS, Mayara da Mota. Autoeficácia docente e escolha pelo ensino superior no contexto do estágio de docência em engenharia. 2015. 150 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Instituto de Biociências, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 2015. Disponível em: <http://hdl.handle.net/11449/134133>.

 

Acesso ao texto completo

Comentários


Nenhum comentário até o momento.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*